Queridos irmãos e irmãs, Graça e Paz!
Escrevo estas breves linhas no início de meu período de recuperação após a pequena cirurgia para o tratamento de uma hérnia umbilical. Quero agradecer as orações elevadas ao Bom Deus por minha pronta recuperação e as inúmeras manifestações de carinho. Deus os abençoe! Como lhes disse, trata-se de uma cirurgia muito simples, mas todos os preparativos e o desenvolvimento do procedimento cirúrgico foram suficientes para que eu experimentasse o drama da fragilidade humana. Pensei muito naqueles irmãos e irmãs que são hospitalizados por razões verdadeiramente graves. Orei por eles. Que, do meio de sua dor, tenham a coragem de confiar na ternura e no cuidado que nosso Deus e Pai reserva aos Seus filhos.
Volto agora minha mente e meu coração para a recordação dos preciosos momentos que vivemos durante a Quaresma, o Tríduo Santo e o início desse Tempo Pascal. O Tempo Quaresmal, que para os catecúmenos é o Tempo da Iluminação, foi uma ocasião privilegiada para meditarmos na incomparável graça do Batismo, da filiação adotiva, da pertença imerecida à única Igreja de Cristo, histórica e concretamente presente neste mundo na Igreja Católica, governada pelo Sucessor de Pedro e pelos Bispos em comunhão com ele. Acompanhar os catecúmenos, que no Primeiro Domingo da Quaresma foram eleitos para a recepção dos sacramentos, foi uma forma de revalorizarmos, nós mesmos, todas as graças que aqueles quatro irmãos, Cristopher, Fernanda, Julimar e Rafael, estavam pedindo à Igreja, e que nós, sem merecimento algum de nossa parte, já recebemos. Cada vez mais estou convencido de que as etapas propostas pelo Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA) é uma grande catequese para toda a comunidade paroquial. Até mesmo o rito de despedida dos catecúmenos, após a Liturgia da Palavra, possui um grande valor pedagógico para os chamados fiéis, isto é, aqueles que podem participar da Liturgia Eucarística. Ajuda-nos a entender que ninguém tem direito de exigir as graças de Deus: somos todos devedores de um amor sem igual!
As celebrações da Semana Santa e especialmente do Tríduo Pascal, com seu forte simbolismo, formam um verdadeiro retiro espiritual: como não acompanhar o Senhor Jesus, passo a passo, em seu caminho de oblação total pelo reerguimento, pela redenção, pela salvação da humanidade perdida e distante do Pai?! Sua “obediência até à morte, e morte de cruz” (cf.Fl 2,8), cura nossa desobediência; Seu amor capaz de dar a vida pelos amigos (cf. Jo 15,13) destrói o egoísmo instalado na história humana; Sua vitória sobre o pecado e a morte é possibilidade e antecipação da vitória de todos aqueles que amam a Deus (cf. Rm 8,28). Com toda a razão, estremecida por visceral alegria, a Igreja, na noite Santa da Vigília Pascal, coloca em nossos lábios estas palavras santíssimas: “Ó feliz culpa, que mereceu tão grande Redentor! Ó feliz culpa!”. Faço votos de que as provações da vida presente não ofusquem as alegrias da Páscoa, que é Cristo Imolado e Ressuscitado por nós (cf. 1Cor 5,7)!
Movidos justamente por essa Boa Notícia, preparamo-nos para a realização da Primeira Semana Missionária, do Projeto Diocesano das Santas Missões Populares, em nossa Paróquia, conforme a programação apresentada na última edição do “Povo de Deus”. Acontecerá, do dia 16 ao dia 24 de maio, na Comunidade Nossa Senhora Auxiliadora. Suplico ao Divino Espírito Santo que redobre o ânimo de todos aqueles que estão particularmente envolvidos com esse Projeto, participando dos retiros e dos diversos encontros, e que faça todos os nossos paroquianos  se abrirem a esse acontecimento que deve deixar marcas profundas em nossa forma de viver em comunidade. Abrir-se às Santas Missões Populares não significa, necessariamente, fazer outras coisas além daquelas que já temos feito com tanto amor. Pelo contrário, significa continuar fazendo o que já fazemos com tanto amor com uma nova mentalidade: uma maior abertura, uma maior capacidade de diálogo, uma postura menos defensiva com relação àquilo que não conhecemos. Se nossas pastorais, movimentos e ministérios passarem a conversar mais, unindo forças para evangelizar com mais eficácia, naquilo que compete a nós, um grande fruto as Santas Missões Populares, desejo do coração de nosso querido Bispo, Dom Vicente Costa, já terão deixado em nosso meio.
Agradeço, uma vez mais, todos os esforços empreendidos pelos Conselhos de Economia e Administração da nossa Paróquia. Na nossa Matriz, os trabalhos relacionados ao Festival de Prêmios com Rodízio de Pizza, no dia 25 de março, e a realização da 1ª Festa do Chocolate, nos 1º e 2 de abril, merecem nossa imensa gratidão. Destaco, porém, nesta edição, o incansável trabalho do Conselho Comunitário de Economia e Administração (CCEA) da Comunidade Nossa Senhora Auxiliadora e de sua Comissão de Eventos. Todos os esforços dos irmãos que compõem esse Conselho e essa Comissão têm valido a pena, e isso a olhos vistos: basta ver as obras da finalização da fachada da Igreja Nossa Senhora Auxiliadora. A continuação daquela construção só tem sido possível graças a eventos como o realizado no dia 22 de abril, a 2ª Noite do Flashback, que aconteceu no Gorilla’s Club. Muita gente trabalhou vigorosamente para a concretização do evento. Deus os abençoe! Parabéns pelo testemunho de amor à Comunidade! Continuemos sempre unidos!
Como vocês poderão notar nas próximas edições do “Povo de Deus”, reestruturei um pouco a coordenação da Pastoral da Comunicação (PASCOM) Paroquial. Agradeço a dedicação do Ailson Marchi durante os meses que esteve à frente da pastoral e apresento-lhes os novos coordenadores: Carla S. Sartori e Luiz André Sartori, isto é, a Carla e o Tuto. Com o apoio de toda a equipe da PASCOM (Rita de Cássia Vieira, Karla Messias, Solange Cardoso, Ailson Marchi, Tadeu Italiani, Rogério e Maira), os novos coordenadores nos ajudarão a otimizar nosso trabalho comunicativo. Sejam bem-vindos!
Por fim, peço-lhes a caridade de uma prece pela Sra. Maria Aparecida de Souza, funcionária da casa paroquial, que está superando alguns problemas de ordem cardíaca. Ela foi hospitalizada na semana da Oitava Pascal e, até o presente momento, continua internada. Temos acompanhado sua recuperação com nossas orações.
Deus abençoe a todos!
Pe. Paulo Eduardo F. de Souza
Pároco